Yama e Niyama da Thelema: O que é o ‘Thelemita perfeito’?

Yama e Niyama da Thelema: O que é o Thelemita perfeito?

Tradução: Fabiano Pereira.

Note: The original essay, ‘Yama & Niyama of Thelema: What is the “ideal Thelemite”?’, can be found in the original English in Fresh Fever From the Skies and online.


Faze o que tu queres será o Todo da Lei.

O que seria uma “thelemita perfeito”?  Resumidamente : Não existe um “thelemita perfeito”. A lei de Thelema  é   “Faze o que tu queres”, o que significa que cada pessoa é soberana. Todo homem e mulher  possuem suas próprias leis e vontades únicas. Como diria William Blake “A mesma lei do leão, para o boi é opressão”

Simples “ Não há lei além do faze o que tu queres” (Liber AL, III:60) exatamente por isso não pode existir padrão, leis, ideais, universais.  Cada individua tem sua própria vontade, e cada lei deve ter seu próprio e único ideal. Sobre não existir normas ou ideais universais, Crowley escreve:

“ O que é necessário não é buscar um ideal fantástico, ideal esse, totalmente inadequado com nossas necessidades reais, mas sim buscar a natureza dessas necessidades, para assim cumpri-la e alegrar-se nelas.” — Magick Without Tears, cap. 8

“Aprende então, ó meu Filho, que todas as Leis, todos os Sistemas, todos os Costumes, todos os Ideais e Padrões que tendem a produzir Uniformidade, estando em direta Oposição à Vontade da Natureza de mudar e de se desenvolver através de Variedade, são amaldiçoados.” –Liber Aleph, cap. 31

“Cada criança deve desenvolver a sua própria Individualidade e Vontade, desconsiderando Ideais alheios… Que as crianças se eduquem para serem elas mesmas. Aqueles que as treinam para os padrões as mutilam e deformam. Os ideais alheios impõem perversões parasitárias… Padrões de educação, ideais de Certo-e-Errado, convenções, credos, códigos, estagna a humanidade.” –‘Sobre a Educação Das’

Poderiam argumentar que Thelema é uma “lei ideal/universal”. Thelema é uma lei ideal na medida que “faze o que tu queres” afirma que cada indivíduo deve encontrar sua própria e única vontade, sua lei particular. É universal , pois afirma que não existe lei universal: “cada um deve buscar a natureza dessas (vontades) necessidades, para assim cumpri-la e alegrar-se nelas”  O único absoluto é a ausência de absolutos, e a única constante é a mudança.

De certa forma, então, podemos dizer que o “Thelemita perfeito” é aquele que faz sua própria vontade e permite que outras pessoas fazem o façam. Este segue a sua própria lei e outros seguem as suas próprias leis, diferentes; não há ideais universais de “o que é melhor” ou “o que é absolutamente certo e errado”  além deste. Isto é o que às vezes é chamado de “Yama e Niyama de Thelema”.

Tomamos emprestado os termos “Yama” e “Niyama” do sistema hindu de raja yoga, como é explicado, entre outros lugares, no tratado clássico de Patanjali chamado Yogasutras. Yama e Niyama são palavras que significam posturas internas e externas “Não roubarás [conduta moral]” (Yama) e “auto esforço/contentamento [qualidade da alma]” (Niyama). Infelizmente, sua tradução não é fácil, mas o seu significado real no contexto de Thelema fica claro com um pouco de explicação.

O Yama de Thelema é ter a auto-disciplina para encontrar a própria vontade e faze-la.  “Tu não tens direito senão fazer a tua vontade” (Liber AL, I: 42)  O Niyama de Thelema é cuidar de sua própria vida, em outras palavras, permitir que os outros encontrem e façam suas vontades. O Niyama é estender a mesma liberdade absoluta para fazer sua própria vontade que legitimamente reivindicam a todos os outros indivíduos. Em resumo:

  • O Yama de Thelema: Faze o que tu queres há de ser tudo da Lei. Tu não tens direito senão fazer a tua vontade.
  • O Niyama de Thelema: Cuide da sua vida.

Yama: Crowley menciona que Yama significa algo semelhante a “controle” ou ” . A palavra         “inibição”, como utilizado por biólogos” Basicamente, Yama significa que a auto-disciplina para permanecer na “linha” ou “caminho” de sua Verdadeira Vontade e não desviar dele. “Tu não tens direito senão fazer a tua vontade” (Liber AL, I: 42), que mostra que você é, por definição, fora do seu direito exclusivo quando você desvia do seu caminho. Isto requer a auto-disciplina para permanecer fiel à sua própria Lei. Como Crowley escreve: “O que é verdade para cada escola é igualmente verdade para cada indivíduo. O sucesso na vida, com base na Lei de Thelema, implica grave auto-disciplina” Crowley dá um resumo sucinto do Yama de Thelema quando escreve:

“Eu gostaria de elucidar adiante mais uma vez que não há questões de certo ou errado em nossos problemas. Mas na estratosfera é “certo/melhor” para um homem ficar quieto em um traje resistente à pressão aquecido eletricamente, com um suprimento de oxigênio, considerando que seria “errado” para ele usá-lo se ele estivesse correndo as três milhas em os esportes de verão no Tanezrouft. Este é o poço em que todos os grandes mestres religiosos têm até agora caído, e eu tenho certeza que você estão todos olhando avidamente para mim na esperança de me ver fazer o mesmo. Mas não! Há um princípio que nos leva através de todos os conflitos em matéria de conduta, porque é perfeitamente rígida e perfeitamente elástica: – “Faze o que tu queres há de ser tudo da Lei.” Isso é Yama.” -Oito Palestras sobre Yoga

Niyama: “. Niyama” Não é um “termo oposto” de Yama, ou auto-disciplina, para traduzir adequadamente poderíamos dizer que o termo complementar de “auto-disciplina” é, neste caso, algo como “virtude humana “Se Yama é a disciplina que temos para com nós mesmos em permanecer fiéis à nossa própria Lei, Niyama é a disciplina que temos para com os outros, permitindo-lhes manter-se fiel às suas próprias leis. Este “outro-disciplina” pode ser resumido como Crowley diz em vários lugares “Cuide da sua vida.”:

“Cuide da sua vida! é a regra suficiente. “-Magick Without Tears, cap. 15

Crowley define aqueles que não conseguem praticar  o Niyama de Thelema como um “corpo-ocupado.” Corpo ocupado é alguém que está preocupado com o que as outras pessoas estão fazendo, comas coisas que os outros estão fazendo, e por que estão fazendo . O “corpo ocupado” está preocupado com alguma Vontade, em vez de se preocupar com a sua própria. Eles estão indignados sobre os “pecados e loucuras” de seus vizinhos em vez de concentrar-se em si mesmos, e geralmente se intrometem nos assuntos dos outros. O “corpo ocupado”, em suma, não se importa com a sua própria vida.

Nós somos todos os “corpos ocupados” em algum grau ou outro, sempre que impomos nossos padrões, expectativas, ou ideais sobre outros. Sempre que pensamos que “sabemos mais” devemos ter em mente que a fronteira disso somos nós mesmos. Isso pode ser mostrado como quando criticamos sobre a escolha de roupas  de alguém, indo para o mais sutil, como esperar que os outros executem as mesmas práticas espirituais como as suas, ou insistindo que as pessoas que acreditam em algo diferente  deve ser “corrigido”.

Quando colocamos em prática, nós rapidamente vemos que a Niyama de Thelema – a de se importar com seu próprio vida e permitir que outros também façam suas vontades – não é simplesmente uma passividade. Não é só “sorrir e concordar”, o que implica que – no fundo – você sabe que eles não estão fazendo suas vontades  (e muito menos que, obviamente, não se alegram nela!). O Niyama de Thelema é uma coisa ativa, positiva: nós afirmamos ativamente o direito de cada indivíduo de conhecer e fazer a sua verdadeira vontade. Quando cumprimentar uns aos outros, devemos olhar sem medo nos olhos uns dos outros e dizer: “Faze o que tu queres há de ser tudo da Lei.” Isso é para dizer a todos que encontrar, como Crowley escreve: “Olhe, irmão, nós somos livres! Alegrai-vos comigo, irmã, não existe lei além de Faze o que tu queres!

Alguns poderiam dizer que é preciso força para controlar tudo, mas é preciso muito mais força para não controlar os tudo e todos. É um sintoma de ansiedade e insegurança  a necessidade de controlar as pessoas, insistindo que é a sua maneira ou a sua forma. Isto é: Sendo  um “corpo ocupado” isso é um sintoma de fraqueza e medo, embora, inevitavelmente, mascarar-se na “virtude”, que essencialmente se resume a “saber o que é o melhor” para alguém (muito menos “os outros “Thelemitas”! ). É aí que “compaixão” e “altruísmo” e até mesmo “ensino” oscila para o reino da loucura.

Ouviremos, inevitavelmente (ou já ouvimos) algum autodeclarado thelemita  questionando por que os outros não estão fazendo isso ou aquilo, insistindo que eles afirmando suas vontades  Thelemitas. Muitos  tornam-se presas de si próprio (OH não! Definitivamente eu não!…  Sim você mesmo!) Essa afirmação e insistência não é nada mais que um “corpo ocupado” com o pretexto de “virtude”  Devemos lembrar  “ não veleis os vossos vícios em palavras virtuosas” (Liber AL, II:52).  Essa afirmação e insistência que outros devem fazer e seguir os mesmos valores que você é exatamente o oposto ao “Faze o que tu queres” . Quando você se perguntar ,  ou ouvir alguém perguntando algo como: Por que  essa pessoa ou aquela não acha isso importante ?  A melhor resposta para isso é “ Porque não é importante para ela, nem precisa ser” Exatamente por isso não existe um thelemita perfeito .  É por isso que “A mesma lei do leão, para o boi é opressão”. Qualquer insistência em outra forma cairá rapidamente na mesma armadilha do velho Aeon, a tirania de um único padrão, ideal, para todas as pessoas, em vez de uma multiplicidade de leis, cada uma com exclusividade para cada individuo.

Novamente: O Niyama de Thelema não é um simples, passivo, “sorriso e agrado”. Pelo contrário: é preciso, uma qualidade quase viril ativa a dizer a cada indivíduo, “eu não sei qual  é sua vontade , eu não sei o que é seu” bom “ou” mau “, eu não sei, nem  mesmo, saber como a sua vontade pode interagir com a minha, mas eu concedo-lhe o direito absoluto de fazer a tua vontade e eu igualmente reivindicar o direito absoluto para fazer a minha vontade “Isso está longe de ser passivo” deixar as coisas acontecerem. “; o Niyama de Thelema é uma afirmação ativa, um incentivo entusiasmado, um grito de guerra de alegria para todos, e afirma cada homem e mulher a descobrir suas reais necessidades, para cumpri-las, e para se regozijar nela. Acreditar no contrário é a essência da tirania; a agir de outra forma é a essência da opressão. Isto requer a força para ficar no meio da incerteza e ambiguidade, de aceitar a variedade e diferença de estilo e de opinião, de não saber “como tudo deve ser” para todos ou qualquer outra pessoa. Qualquer preocupação decorrente sobre os outros “não fazê-lo da maneira certa” deve ser um lembrete para todos nós para voltar a se concentrar em nossa própria vontade: este deve ser um lembrete da Yama de permanecer fiel ao nosso próprio caminho e o Niyama de afirmar o direito dos outros de serem fieis a seus caminhos.

cover_preorderEsta é a simplicidade e a beleza da Lei de Thelema: Não existem padrões absolutos ou ideais universais. Todo homem e toda mulher tem o direito imprescritível e dever de conhecer e fazer a sua verdadeira vontade. Cada um tem seu próprio padrão, a sua própria Lei. Qualquer ocorrência de alguém impor a sua lei em outro, ou qualquer um de aceitar uma lei que lhes são impostas por outro, é uma distorção e deformação da verdadeira natureza de uma estrela. É nossa Yama a aderir a esta Lei de nossa própria Verdadeira Vontade, e é nossa Niyama para afirmar o direito de todos os outros indivíduos a aderir à Lei de sua própria Verdadeira Vontade. Esta é a verdadeira liberdade, a ordem perfeita na Terra como as estrelas se movem perfeitamente na ordem perfeita nos Céus; por isso que a nossa Lei de “Faze o que tu queres” é a Lei da própria liberdade.

O Amor é a Lei, Amor sob Vontade.

 

 

Advertisements